terça-feira, 17 de maio de 2011

Chão de Giz

Acabei de descobrir que uma das músicas da trilha sonora da novela Cordel Encantado é Chão de Giz. Para quem não sabe, essa é uma das minhas músicas preferidas, se não a melhor de todas....

José Ramalho Neto nasceu na Paraíba, em 1949 (sim, ele tem mais de 60 anos). Sua carreira artística começou na década de 70. Fui saber mais sobre ele, no site http://www.zeramalho.com.br/


Ele é meio bruxo. Até o site dele demonstra isso. Em seu primeiro disco, de 1978 (acima), já havia a música Chão de Giz. A terceira do Lado A, com 4:45 de duração.

Achei uma explicação para a música, no site
Museu da Canção (http://museudacancao.multiply.com/photos/album/22), que transcrevo aqui:

"O Zé teve, em sua juventude, um caso duradouro com uma mulher casada, bem mais velha, da alta sociedade de João Pessoa, na Paraíba. Ambos se conheceram num Carnaval. 
Ele se apaixonou perdidamente por esta mulher, só que ela era casada com uma pessoa influente da sociedade, e nunca iria largar toda aquela vida por um "garoto pé rapado" que ela apenas "usava" para transar gostoso.
Assim, o caso, que tomava proporções grandes, foi terminado. O Zé ficou arrasado por meses, e chegou a mudar de bairro, pois morava próximo a ela. E, nesse período de sofrimento, compôs a canção. Conhecendo a história, você consegue perceber a explicação para cada frase da música, que passo a transcrever: 

"Eu desço dessa solidão, espalho coisas sobre um chão de giz" 

Um de seus hábitos, no sofrimento, era espalhar pelo chão todas as coisas que lembravam o caso dos dois. O chão de giz também indica a fugacidade do relacionamento, facilmente apagável (mas não para ele...) 

"Há meros devaneios tolos a me torturar" 

Aqui é meio claro, devaneios, viagens, a lembrança dela a torturá-lo. 

"Fotografias recortadas de jornais de folhas amiúde" 

Outro hábito seu era recortar e admirar TODAS as fotos dela que saiam nos jornais - lembrem-se, ela era da alta sociedade, sempre estava nas colunas sociais. 

"Eu vou te jogar num pano de guardar confetes" 

Pano de guardar confetes são aqueles balaios ou sacos típico das costureiras do Nordeste, onde elas jogam restos de pano, papel, etc. Aqui, ele diz que vai jogar as fotos dela fora num pano de guardar confetes, para não mais ficar olhando-as. 

"Disparo balas de canhão, é inútil pois existe um grão vizir" 

Ele tenta ficar com ela de todas as formas, mas é inútil pois ela é casada com o tal figurão rico (o Grão Vizir).

”Há tantas violetas velhas sem um colibri" 

Aqui ele pega pesado com ela... há tantas violetas velhas (como ela, bela, mas velha) sem um colibri (jovem pássaro que a admire). Aqui ele tenta novamente convencê-la simbolicamente, destacando a sorte dela - violeta velha - poder ter um colibri, e rejeitá-lo. 

" Queria usar quem sabe uma camisa de força ou de vênus" 

Bem, aqui é a clara dualidade do sentimento dele. Ao mesmo tempo que quer usar uma camisa de força, para manter-se distante dela e não sofrer mais, queria também usar uma camisa de vênus, para transar com ela. 

"Mas não vão gozar de nós apenas um cigarro" 

Novamente ele invoca a fugacidade do amor dela por ele, que o queria apenas para "gozar o tempo de um cigarro". Percebe-se o tempo todo que ele sente por ela profundo amor e tesão, enquanto é correspondido apenas com o tesão, com o gozo que dura o tempo de se fumar um cigarro (também representativo como o sexo, pois é hábito se fumar um cigarro após o mesmo).

"Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom" 

Para que beijá-la, "gastando o seu batom" (o seu amor), se ela quer apenas o sexo? 

"Agora pego um caminhão, na lona vou a nocaute outra vez" 

Novamente ele resolve ir embora, após constatar que é inútil tentar. Mas, apaixonado como está, vai novamente "à lona" - expressão que significa ir a nocaute no boxe, mas que também significa a lona do caminhão com o qual ele foi embora - lembrem-se que ele teve que se mudar de sua residência para "fugir" desse amor doentio 

"Pra sempre fui acorrentado no seu calcanhar" 

Auto-explicativo, né?! Esse amor que, para sempre, irá acorrentá-lo, amor inesquecível. 

"Meus vinte anos de boy, "that's over, baby" , Freud explica" 

Ele era bem mais novo que ela. Ele era um boy, ela era uma dama da sociedade. Freud explica um amor desse (complexo de Édipo, talvez?). Em todo caso, "that´s over, baby", ou seja, está tudo acabado. 

"Não vou me sujar fumando apenas um cigarro, nem vou te beijar, sujando assim o meu batom"

Ele não vai se sujar transando apenas mais uma vez com ela, sabendo que nunca passará disso 

"Quanto ao pano dos confetes já passou meu carnaval" 

Lembrem-se, eles se conheceram num carnaval. Voltando a falar das fotos dela, que ele iria jogar num pano de guardar confetes, ele consolida o fim, dizendo que agora já passou seu carnaval, ou seja, terminou, passou o momento. 

"E isso explica porque o sexo é assunto popular" 

Aqui ele faz um arremate do que parece ter sido apenas o que restou do amor dele por ela (ou dela por ele): sexo. Por isso o sexo é tão popular, pois só ele é valorizado - uma constatação amarga para ele, nesse caso. 
Há quem veja também aqui uma referência do sexo a ela através do termo "popular", que se referiria ao jornal (populares), e ela sempre estava nos jornais, ele sempre a via neles. 

"No mais estou indo embora" 

Bem, aqui é o fechamento. Após sofrer tanto e depois desabafar, dizendo tudo 
que pensa a ela na canção, só resta-lhe ir embora.".



CHÃO DE GIZ
( Zé Ramalho )

Eu desço dessa solidão
Espalho coisas sobre
Um Chão de Giz
Há meros devaneios tolos
A me torturar
Fotografias recortadas
Em jornais de folhas
Amiúde!
Eu vou te jogar
Num pano de guardar confetes
Eu vou te jogar
Num pano de guardar confetes...

Disparo balas de canhão
É inútil, pois existe
Um grão-vizir
Há tantas violetas velhas
Sem um colibri
Queria usar quem sabe
Uma camisa de força
Ou de vênus
Mas não vou gozar de nós
Apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar
Gastando assim o meu batom...

Agora pego
Um caminhão na lona
Vou a nocaute outra vez
Prá sempre fui acorrentada
No seu calcanhar
Meus vinte anos de "boy"
That's over, baby!
Freud explica...

Não vou me sujar
Fumando apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar
Gastando assim o meu batom
Quanto ao pano dos confetes
Já passou meu carnaval
E isso explica porque o sexo
É assunto popular...

No mais estou indo embora!
No mais estou indo embora!
No mais estou indo embora!
No mais!...

video

Lembranças...

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...